viernes, 18 de enero de 2008

Corro, corro, corro...
não consigo me afastar de mim
dos meus passos, do meu fôlego
da cabeça
e do meu grito
Estou há quilômetros, mas posso ouvir meu grito
Corro, corro
desviando dos meus indicadores todos apontados para mim
escorrego numa poça de lárimas que derramei há pouco
e me dou conta que estou correndo em círculos
Que não saí de mim
que não há o fora
me grudei na minha pele
Cavoco, cavoco e chego às entranhas
é dor, é cansaço...
é uma primeira pessoa do singular.

1 comentario:

Vitor dijo...

corra, corra, corra com a mesma intensidade para o meu aconchego então...